Histórias

A história de Kirian

abril 17, 2020

“Muitas vezes me disseram que eu nunca me tornaria nada em minha vida”. – A história de Kirian

17 de abril de 2020 Ascentria Care Alliance

Tendo crescido em Honduras, Kirian Vasquez foi deixada sozinha aos 14 anos de idade. Desde que se lembrava, foi-lhe dito que, como mulher, seu trabalho era ser esposa e mãe, nada mais. “Sempre me disseram que eu nunca me tornaria nada [in] minha vida”, explicou Kirian. Desesperada para escapar, Kirian fugiu para os Estados Unidos, onde, como menor desacompanhada, foi colocada sob os cuidados do Programa de Menores Refugiados Desacompanhados (URMP) da Ascentria Care Alliance.

Kirian cresceu em Honduras com suas duas irmãs. Quando ela e suas irmãs eram muito jovens, a mãe de Kirian foi para os Estados Unidos, deixando-as para trás. Sem a mãe, Kirian e suas irmãs foram deixadas sob os cuidados de familiares, onde sofreram abuso físico e negligência. “Muitas vezes nos negavam comida ou nos davam muito pouca comida… passávamos fome o tempo todo”, disse Kirian. “Lembro-me de um momento em minha vida em que [had] roubei comida de minha própria casa para alimentar minhas irmãs e a mim mesma. Também fomos derrotados com muita frequência.”
Kirian assumiu a responsabilidade de cuidar de suas duas irmãs mais novas.

Com apenas 14 anos de idade, ela começou a viver sozinha. Ela trabalhava durante o dia e ia à escola à noite. Enquanto isso, em sua comunidade, Kirian não estava segura. O crime a cercava, especialmente a violência das gangues. Um dia, Kirian perdeu o emprego e, naquele momento, percebeu que, se ficasse em Honduras, “…eu não seria mais do que uma mulher com filhos… Não há nada de errado nisso, mas não era a vida que eu queria para mim. Eu não queria me casar em uma idade jovem e ter filhos com quem quer que fosse só porque essa era a expectativa que as pessoas tinham [for] eu”. Negligenciada e maltratada pelos cuidadores e insegura em sua casa, a jovem Kirian tomou a difícil decisão de fugir de seu país e buscar uma vida melhor nos Estados Unidos.

Kirian veio para os EUA, não para perseguir um sonho, mas para escapar da violência e da discriminação de gênero. “Eu não tinha nenhum sonho”, compartilhou Kirian, “eu só queria escapar do tabu que foi estabelecido por muitas gerações em nossa sociedade e cultura; que uma mulher precisa se casar cedo e ter filhos em uma idade muito jovem… Eu não queria ser apenas uma mulher sem educação, sem futuro, sem espaço para crescer em uma sociedade que achava que ir à escola era uma perda de tempo”. Ao crescer em Honduras, Kirian foi ensinada que sonhar com algo além de ser esposa e mãe, como o sonho de ter uma carreira, só acontecia em contos de fadas. Ela veio para os EUA fugindo dessas crenças, sem ainda perceber as oportunidades que estariam disponíveis para ela por meio do URMP da Ascentria.

Ao chegar aos Estados Unidos, Kirian foi colocada sob os cuidados do Programa de Menores Refugiados Desacompanhados da Ascentria. Kirian enfrentou imensos desafios em sua nova comunidade. Ela lembrou: “Um dos maiores desafios e dificuldades que enfrentei foi o idioma. A barreira do idioma fez com que eu me sentisse frustrado muitas vezes, [so] que eu queria voltar para o meu país e nunca mais voltar para cá, não importa o que acontecesse.” Apesar desses desafios, o apoio que lhe foi oferecido pela Ascentria permitiu que Kirian fosse adiante: “Eu tinha um grupo de pessoas muito prestativas olhando ao meu redor para garantir que eu não desistisse. Tive assistentes sociais que, apesar de não falarem [Spanish]O Ascentria ajudou muito nesse [transition], garantindo que eu tivesse tudo o que precisava para me concentrar em meus estudos na escola e assegurando que eu me sentisse confortável em casa com a família adotiva”.

Kirian-6.JPG

Ao se estabelecer em seu lar adotivo, Kirian foi matriculada em uma escola de ensino médio local. Ela ficou surpresa ao saber que continuar seus estudos era de fato possível. “Nunca pensei que poderia estudar aqui. Eu achava que só… [rich] as crianças pudessem ir para uma escola de ensino médio”. A educação abriu as portas para que Kirian sonhasse além do que ela imaginava ser possível. “Depois que entrei no ensino médio”, descreveu Kirian, “comecei a sonhar em ser alguém na vida. Sonhava em me tornar uma agente do FBI, assistente social, advogada e muitas outras coisas.” A partir daí, o futuro de Kirian estava em um caminho brilhante.

Enquanto Kirian continuava a trabalhar para obter seu diploma de ensino médio, muitos mentores em sua vida a incentivaram a considerar a possibilidade de abrir um negócio. Ela não achava que isso fosse uma opção, porque não se considerava inteligente o suficiente. Apesar de suas dúvidas, Kirian aprendeu inglês com sucesso, concluiu o ensino médio e foi aceita na faculdade. Ela experimentou vários programas de graduação diferentes, incluindo Justiça Criminal, Psicologia e Contabilidade. Nenhum desses cursos parecia adequado para ela, até que finalmente conseguiu se formar em Administração de Empresas e Gerenciamento.

Kirian-4-(1).jpg

Hoje, continuam a existir mentores que incentivam Kirian e que lhe dizem que ela será uma mulher de negócios bem-sucedida. Apesar de anos rejeitando essa ideia, Kirian decidiu dar uma chance a si mesma. No último ano, Kirian trabalhou para realizar esse novo sonho e, com orgulho e sucesso, criou sua própria empresa de responsabilidade limitada (LLC) no setor de mármore e azulejos. Ela continua a gerenciar esse novo empreendimento enquanto trabalha para concluir seu curso de Administração de Empresas e Gerenciamento. Outra grande conquista para Kirian ocorreu em julho de 2019: ela se tornou cidadã dos EUA. Nas palavras de Kirian, essa foi “uma das maiores realizações que já tive”.

Refletindo sobre seu tempo no Programa para Menores Refugiados Desacompanhados, Kirian compartilhou: “Sou muito grata a todos os assistentes sociais que tive durante minha estada no programa”. Ela compartilhou um conselho importante para outros jovens do programa: “Socialize-se com pessoas que o farão sonhar alto e ter sucesso. Aproveite a juventude, seja criativo, aprecie cada conselho que seus pais adotivos e assistentes sociais lhe derem… Sempre sonhe grande e acredite que o impossível é sempre possível se você tiver fé.”

Há muitas crianças como Kirian em todo o mundo. Crianças que foram abandonadas pelos pais, maltratadas por cuidadores, ameaçadas por gangues ou forçadas a abandonar a escola e trabalhar ainda jovens. Independentemente de suas histórias, essas crianças são indivíduos com esperanças, sonhos e imenso potencial. O Programa de Menores Refugiados Desacompanhados da Ascentria oferece a essas crianças o apoio de que precisam para obter uma educação, construir conexões em sua nova comunidade e entrar na vida adulta com as habilidades necessárias para ter sucesso. Para saber como você pode ajudar, acesse www.ascentria.org/urm

Related Stories

Read Article

Conheça o James

Read Article

Ascentria anuncia o lançamento do PeopleFirst Pathways

Read Article

A jornada de Oksana e Juli: uma história de resiliência e dedicação

What can we help you find?