Alertas de ação

A crise de moradia nos EUA é um problema das mulheres

maio 9, 2024

Qual é a situação atual da desigualdade habitacional nos Estados Unidos?

A desigualdade habitacional representa uma forma de desigualdade econômica em que os indivíduos não têm oportunidades iguais de viver em ambientes seguros, livres de danos, ameaças ou obstáculos que impeçam sua prosperidade. O aumento do custo de vida, agravado pelos efeitos da pandemia da COVID-19, exacerbou a insegurança habitacional para milhões de pessoas. Uma pesquisa nacional realizada em agosto de 2021 revelou que 3,7 milhões de entrevistados indicaram que tinham “muita probabilidade” ou “alguma probabilidade” de serem despejados nos dois meses seguintes. Além disso, foi relatado que 7,7 milhões de pessoas estavam inadimplentes com o pagamento do aluguel. Antes da pandemia, a insegurança habitacional era generalizada entre muitos americanos.

Dados de uma pesquisa de 2019 mostraram que 37,1 milhões de famílias (tanto locatários quanto proprietários de imóveis) foram identificadas como“sobrecarregadas com custos“, o que significa que gastaram mais de 30% de sua renda com despesas de moradia. Entre eles, 17,6 milhões de domicílios foram considerados gravemente sobrecarregados com os custos, alocando mais de 50% de sua renda para moradia. Aqueles que alocam 30% ou mais de sua renda para custos de moradia têm recursos mensais mínimos para outras necessidades essenciais, como alimentação, vestuário, serviços públicos e assistência médica.

O que constitui a insegurança habitacional e como as pessoas a vivenciam?

A noção de que a insegurança habitacional equivale apenas à falta de moradia é um equívoco que muitos têm. A realidade da insegurança habitacional abrange um amplo espectro de questões:

  • A luta para encontrar e manter moradias seguras e acessíveis
  • Enfrentar constantemente o risco de despejo
  • Recorrer a moradias temporárias, como hotéis, abrigos ou couch-surfing
  • A dificuldade financeira de pagar o aluguel ou os serviços públicos
  • Dependência de crédito para despesas essenciais com moradia
  • Sentir-se preso em condições de vida inseguras devido a alternativas limitadas
  • A consequência final de perder a casa ou a residência

Embora a insegurança habitacional possa afetar qualquer pessoa, ela afeta desproporcionalmente os grupos marginalizados, inclusive indivíduos não brancos da classe trabalhadora, vítimas de violência doméstica, pessoas com deficiência, ex-jovens adotivos, membros da comunidade LGBTQIA+, pais solteiros, migrantes, pessoas com baixa pontuação de crédito, ex-encarcerados, pessoas com condições crônicas de saúde e outros que as práticas discriminatórias marginalizaram sistematicamente. Essa disparidade decorre de sistemas e instituições sociais que operam com preconceito com base nessas características.

Para muitos, basta uma despesa imprevista ou uma emergência para que você se torne inseguro em relação à moradia. A pandemia da COVID-19 exemplificou essa vulnerabilidade, pegando várias pessoas despreparadas e levando a desafios imprevistos de moradia. As consequências econômicas da perda de empregos durante a pandemia forçaram algumas sobreviventes a situações em que se sentiram obrigadas a trocar sexo por necessidades ou a continuar vivendo com seus agressores. Além do risco de violência sexual, as pessoas enfrentam a superlotação, a necessidade de se mudar com frequência e as pressões da gentrificação. Além disso, a pandemia viu casos em que os proprietários exploraram a situação exigindo sexo de mulheres vulneráveis como forma de pagamento do aluguel.

Como a insegurança habitacional afeta as mulheres?

A insegurança habitacional está profundamente interligada a questões de racismo e normas de gênero, atingindo mais duramente aqueles que são marginalizados pela discriminação racial e de gênero. Essa desigualdade multifacetada se manifesta de várias maneiras, incluindo práticas discriminatórias de empréstimos por parte dos bancos, assédio por parte dos proprietários de imóveis, disparidades salariais e maior probabilidade de dependência financeira decorrente de violência doméstica. A moradia segura e acessível continua fora do alcance de muitos devido a essas barreiras sistêmicas e redes de segurança social insuficientes. Casos de violência sexual podem levar ao deslocamento da família, afetando significativamente as mulheres e os ex-jovens adotivos. Em contrapartida, a rejeição pelas famílias afeta desproporcionalmente os indivíduos LGBTQ+, muitas vezes dificultando sua capacidade de garantir moradia estável.

A diferença salarial entre os gên eros agrava esses problemas, pois as mulheres, principalmente as negras, ganham muito menos do que seus colegas homens pelo mesmo trabalho. Essa discrepância é destacada pelos dados do National Women’s Law Center, que mostram que as mulheres, em média, ganham 82 centavos para cada dólar ganho pelos homens, com lacunas ainda maiores para as mulheres de cor. A super-representação das mulheres em empregos de baixa remuneração limita ainda mais suas opções de moradia e aumenta sua vulnerabilidade à discriminação de empréstimos. Estudos demonstraram que os homens gays e bissexuais ganham menos do que os homens heterossexuais, e as mulheres transgêneros enfrentam reduções salariais substanciais após a transição, diminuindo sua capacidade financeira de garantir moradia.

Além disso, os indivíduos dentro do espectro LGBTQ+ correm um risco maior de violência em situações de falta de moradia, com uma parcela significativa de indivíduos transgêneros sofrendo agressão sexual em abrigos. Essas circunstâncias terríveis geralmente prendem as vítimas em condições de vida inseguras, em empregos exploradores ou nas ruas sem abrigo adequado. O medo de perder a guarda dos filhos pode impedir que pais solteiros busquem ajuda. Ao mesmo tempo, o estresse causado por essas condições tem um impacto significativo no bem-estar físico, mental e emocional.

O que podemos fazer?

À medida que percorremos as complexidades da crise habitacional dos EUA, fica evidente que essa questão está profundamente entrelaçada com a estrutura da desigualdade racial e de gênero. As realidades difíceis enfrentadas pelas mulheres, especialmente as de comunidades marginalizadas, destacam a necessidade urgente de uma reforma abrangente e de apoio direcionado. O impacto desproporcional sobre mulheres e indivíduos LGBTQ+ não apenas desafia nossas normas sociais, mas também questiona a eficácia de nossas políticas habitacionais e sistemas de apoio atuais.

Portanto, é imperativo que todos nós – legisladores, líderes comunitários, ativistas e cidadãos – defendamos soluções habitacionais inclusivas e equitativas. Isso inclui pressionar por reformas políticas que abordem as causas fundamentais da insegurança habitacional, como a diferença salarial entre homens e mulheres, práticas discriminatórias de empréstimo e moradia e a falta de opções de moradia a preços acessíveis. Também devemos trabalhar para fortalecer as redes de segurança social e os sistemas de apoio para as pessoas afetadas por violência doméstica, falta de moradia e discriminação.

Sua voz é fundamental nessa luta pela justiça habitacional. Envolva-se com grupos locais e nacionais de defesa de moradias, apoie políticas que promovam práticas de moradia justa e aumente a conscientização sobre as dimensões de gênero da insegurança habitacional. Juntos, podemos nos esforçar para alcançar um futuro em que todos possam ter acesso a moradias seguras, acessíveis e equitativas. Esse direito fundamental não deve ser comprometido pelo gênero, raça ou status socioeconômico de alguém. Não sejamos espectadores nesta crise. É hora de agir, defender a mudança e apoiar iniciativas para eliminar as barreiras à igualdade de moradia. O caminho para solucionar a crise habitacional é longo e repleto de desafios. Ainda assim, podemos pavimentar o caminho para uma sociedade mais justa e inclusiva com esforço coletivo e compromisso inabalável.

Related Stories

Read Article

A crise de moradia nos EUA é um problema das mulheres

Read Article

OPOR-SE À H.B. 1118

Read Article

Floyd pode dançar!

What can we help you find?