Notícias

A crise crescente dos cuidados de saúde

Janeiro 20, 2020

A crise crescente dos cuidados de saúde: Necessidade de trabalhadores que prestem cuidados aos doentes

16 de janeiro de 2020 New Hampshire Business Review – Angela Bovill

Uma convergência de tendências está a produzir uma verdadeira crise nos cuidados de saúde: uma escassez crescente de trabalhadores da linha da frente, mal pagos, que prestam os primeiros cuidados aos doentes, os cuidados básicos e os cuidados a longo prazo.

Muitas coisas desencorajam as pessoas de trabalhar em lares de idosos, cuidados ao domicílio, serviços para deficientes, cuidados em grupo, vida assistida, hospícios e hospitais. Os baixos salários são uma das principais razões, mas também as más condições de trabalho, os fracos percursos profissionais e a falta de oportunidades de formação.

Infelizmente, parece que a sociedade desvaloriza este trabalho. Os profissionais de saúde, como os médicos, são geralmente bem pagos. No entanto, são os trabalhadores com salários mais baixos, como os enfermeiros assistentes certificados, que os doentes vêem com mais frequência e em quem confiam como uma tábua de salvação.

A rotação destes trabalhadores é maior porque estão cansados de fazer horas extraordinárias ou de trabalhar em vários empregos. Alguns trabalham 90 horas por semana. Com um desemprego tão baixo na economia atual, muitos partem para empregos mais bem pagos na Walmart ou em qualquer outro lugar. E quando trabalhadores experientes abandonam os cuidados de saúde, a qualidade dos cuidados prestados aos doentes é afetada.

A escassez de profissionais de saúde é o tema de conversa número um nas conferências sobre saúde e serviços humanos, porque sabemos que o problema está a crescer a um ritmo alarmante. Em Massachusetts e New Hampshire, estamos a assistir a longas listas de espera para pessoas que necessitam de cuidados domiciliários. Os candidatos são recusados devido à falta de trabalhadores.

A matemática é impiedosa. Os baby boomers estão a sair da força de trabalho e a viver mais tempo, pelo que precisam de mais cuidados de saúde, enquanto as gerações mais jovens e mais pequenas suportam os encargos financeiros de cuidar de todos. E há um novo fator a agravar a situação: o encerramento da imigração e da entrada de refugiados no país. Os novos americanos aceitaram muitos empregos de nível básico no sector da saúde, mas os limites de imigração foram reduzidos pela administração Trump.

Nos próximos anos, a qualidade dos cuidados de saúde será cada vez mais comprometida. As pessoas não estão a receber os cuidados de que necessitam quando precisam, pelo que estão a aparecer no sistema com doenças mais avançadas e mais difíceis e dispendiosas de tratar. O problema é exacerbado pela pressão exercida sobre o sector dos lares de idosos, o que torna ainda mais difícil encontrar locais seguros e adequados para os idosos.

Quando é que o público em geral vai reconhecer esta falta de trabalhadores como uma crise emergente? Esperemos que não sejam necessárias notícias trágicas para que as pessoas vejam e compreendam a realidade.

Se avaliarmos honestamente as tendências, aperceber-nos-emos de que o nosso sistema não é sustentável. Mesmo que comecemos a tomar o nosso remédio rapidamente – financiando intervenções mais precoces e menos dispendiosas e pagando às pessoas pelo valor que acrescentam à qualidade de vida das pessoas – esta crise durará provavelmente 10 a 15 anos. É uma razão para agir agora.

Em primeiro lugar, devemos aumentar a pressão sobre os dirigentes governamentais, dos serviços de saúde e dos serviços humanos para que façam mais para atrair, formar, apoiar e compensar de forma justa os trabalhadores da saúde com salários mais baixos.

Em segundo lugar, devemos incentivar mais parcerias entre empresas e organizações sem fins lucrativos para o desenvolvimento da força de trabalho. Muitas empresas precisam de empregados novos e bem motivados e muitas organizações sem fins lucrativos, como a minha, dedicam-se a ajudar as pessoas a sair da pobreza, ajudando-as a encontrar um emprego e a obter a formação e os apoios necessários para terem êxito.

Em terceiro lugar, devemos exortar os defensores dos doentes a defenderem também os trabalhadores mal pagos que ajudam conscienciosamente os doentes.

Em quarto lugar, todos deveriam estar mais conscientes e ser mais sensíveis aos trabalhadores mal pagos que vêm ter connosco quando somos pacientes e que, apesar das suas próprias dificuldades, sorriem e dizem: “Em que posso ajudá-lo?” Podemos aprender com estes trabalhadores, se os ouvirmos com humildade. Podemos apreciar melhor o facto de a resiliência resultar de muitas virtudes: coragem, determinação, compaixão e fé.

Deveríamos apoiar mais os trabalhadores que nunca se queixam, mas que merecem ser compensados de forma equitativa pelos cuidados valiosos que prestam.

E não devemos cometer o erro de pensar que a falta de trabalhadores é um problema de outrem. Esta crise vai afetar-nos a todos – quer sejamos nós ou os nossos entes queridos a precisar de ajuda, quer sejamos nós a fazer o trabalho.

Angela Bovill é presidente e directora executiva da Ascentria Care Alliance, que oferece programas e serviços em New Hampshire, Connecticut, Maine, Massachusetts e Vermont.

Related Stories

Read Article

Conhece o James

Read Article

Ascentria anuncia o lançamento do PeopleFirst Pathways

Read Article

A viagem de Oksana e Juli: uma história de resiliência e dedicação

What can we help you find?